segunda-feira, 29 de setembro de 2008

O passado e o futuro


“Qualquer inovação de hoje, por maior que seja, já é passado amanhã”.
A Cova-Gala é uma Terra construída num espaço temporal relativamente curto
Um olhar mais atento, por exemplo, a partir do alto do tabuleiro central da Ponte Edgar Cardoso, dá-nos conta do contraste geral existente entre o que é novo e antigo no casario.
Outro dia, numa mera conversa de café, com dois amigos, às tantas, a conversa derivou para o “cimento”.
Passados alguns dias, lembrando-me dessa conversa, pergunto para mim mesmo. Como foi realizado o crescimento da Cova-Gala?
Não teria sido esta Terra digna de um plano que a conseguisse preparar para o futuro respeitando o seu passado? Será que queremos que os nosso filhos vivam numa Terra que nada reflicta da sua história?

Deixo aqui estas ideias, em jeito de pequena reflexão, para que todos possamos igualmente reflectir sobre a Cova-Gala que queremos legar às gerações vindouras.
O futuro é o reflexo do que preparamos no passado. E, com toda a certeza, que se tivéssemos pensado o futuro com antecedência poderíamos ter criado algumas condições para que a nossa Terra constitui-se um exemplo de planeamento e preservação, não só do seu património recente, mas do seu património passado.
Veja-se o exemplo fotográfico acima. Aquelas caixas no lado esquerdo das "nossas Alminhas", o nosso mais antigo monumento, no mínimo, constituem uma completa e total falta de respeito pelo pouco património que temos e pelos covagalenses.
Como escrevemos há uns tempos atrás,
a modernização a todo o custo, obedecendo apenas à lei do camartelo, não nos convence.
A Cova e a Gala têm Alma. Têm Pessoas.

2 comentários:

Reacças disse...

A quem pertence esta recordação dos nossos avós?
Já alguem se preocupou ou preocupa em saber?
Segundo me foi dito há alguns anos atrás por um sr de Lavos, conhecido por Manecas, acho que foi entregue à Junta.
Mas como a capelinha das alminhas não dá votos foi posta ao abandono.
Quem nessa altura acendia a lamparina, já morreu.
o mesmo se passa com a casa onde estava recolhida a carreta.
Onde está a carreta?
Ao ABANDONO. Vejam no cemitério de S. Pedro.

bigodes disse...

caro reacças:
pela utilização abusiva, esta recordação dos nosso avós não será antes pertença da EDP?